Literatura Brasileira e a história e movimentos literários

Histórico da Literatura Brasileira com os principais movimentos literários e seus escritores mais importantes.


Padre José de Anchieta: representante do início da literatura brasileira
Padre José de Anchieta: representante do início da literatura brasileira

 

Períodos da Literatura Brasileira e suas características:

 

 

1 - Quinhentismo (século XVI)

 

O Quinhentismo é um conjunto das manifestações artísticas, literárias e filosóficas do século XVI no Brasil. Teve início com a Carta de Caminha (Carta de Achamento do Brasil), escrita no ano de 1500. Esse período durou, praticamente, todo século XVI. Foi o primeiro momento da literatura colonial brasileira, porém não é considerado uma escola literária.

 

A literatura dessa fase foi marcada pelos textos de cronistas, viajantes e catequistas católicos (jesuítas).

 

Os cronistas

 

Num primeiro momento destacou-se a Literatura de informação, ou seja, a principal intenção do escritor era relatar para o público português ou a coroa portuguesa o que havia no Brasil (colônia de Portugal). Esse foi o principal objetivo de Pero Vaz de Caminha com sua carta ao rei português. A Carta de Caminha é descritiva e apresenta linguagem poética e fluente.

 

Essa literatura de informação teve, e ainda tem, grande valor histórico (historiográfico). A Carta de Caminha é, por exemplo, o principal documento histórico sobre como era o Brasil em 1500. Ela fala sobre a cultura indígena, a natureza, os animais, o primeiro contado entre os portugueses e os indígenas e muito mais. Havia também a presença de uma visão paradisíaca do Brasil.

 

Os cronistas vinham com as expedições colonizadoras para relatar à coroa portuguesa as características do Brasil. Entre esses cronistas, podemos citar: Pero Vaz de Caminha; Pero Lopes de Sousa (cronista da expedição de Martim Afonso de Souza), que escreveu o Diário de Navegação (1530) e Pero de Magalhães Gândavo (escritor e historiador), que escreveu duas obras importantes: Tratado da Província do Brasil e Tratado da Terra do Brasil.

 

O mais importante cronista desse período foi Gabriel Soares de Sousa. Ele foi historiador, agricultor e escritor. Ele escreveu o Tratado descritivo do Brasil (1587). Nessa obra, ele relatou com qualidade os principais aspectos da flora, da fauna e dos costumes do povo brasileiro no final do século XVI.

 

Os viajantes e aventureiros

 

Europeus com interesses científicos, que vieram para o Brasil para conhecer e escrever sobre os animais, plantas e nativos brasileiros.

 

Um dos principais viajantes foi o alemão Hans Staden, que escreveu Meu cativeiro entre os selvagens do Brasil. Essa obra foi escrita após Hans Staden ficar aprisionado, durante um certo tempo, numa tribo tupinambá no litoral de São Paulo.

 

Retrato pintado de Hans Staden

Hans Staden (1525-1576): aventureiro e escritor alemão.



Catequistas: os padres jesuítas e sua produção literária

 

A partir de meados do século XVI, começam a surgir os primeiros textos dos jesuítas portugueses, que chegaram ao Brasil para catequizar (ensinar o cristianismo aos indígenas).

 

Essa fase é marcada por crônicas, sermões, peças teatrais e poesias. Os principais escritores desse momento foram os padres jesuítas José de Anchieta (destacou-se com poemas, cartas e o teatro catequético-alegórico), Manuel da Nóbrega (autor de Diálogo sobre a conversão do gentio de 1557) e Frei Fernão Cardim (autor de Tratados da Terra e da Gente do Brasil).

 

Retrato do padre e escritor José de Anchieta
Padre José de Anchieta: o principal representante do Quinhentismo na Literatura Brasileira (pintura de Benedito Calixto de 1902).

 

 

2 - Barroco (século XVII)

 

Essa época foi marcada pelas oposições e pelos conflitos espirituais. Esse contexto histórico acabou influenciando na produção literária, gerando o fenômeno do barroco. As obras são marcadas pela angústia e pela oposição entre o mundo material e o espiritual.  Metáforas, antíteses e hipérboles são as figuras de linguagem mais usadas neste período. Podemos citar como principais representantes desta época: Bento Teixeira, autor de Prosopopeia; Gregório de Matos Guerra (Boca do Inferno), autor de várias poesias críticas e satíricas; e padre Antônio Vieira, autor de Sermão de Santo Antônio ou dos Peixes.


3 - Neoclassicismo ou Arcadismo (século XVIII)

 

O século XVIII é marcado pela ascensão da burguesia e de seus valores. Esse fato influenciou na produção das obras desta época. Enquanto as preocupações e conflitos do barroco são deixados de lado, entra em cena o objetivismo e a razão. A linguagem complexa é trocada por uma linguagem mais fácil. Os ideais de vida no campo são retomados (fugere urbem = fuga das cidades) e a vida bucólica passa a ser valorizada, assim como a idealização da natureza e da mulher amada. As principais obras desta época são: Obra Poética de Cláudio Manoel da Costa, O Uraguai de Basílio da Gama, Cartas Chilenas e Marília de Dirceu de Tomás Antonio Gonzaga, Caramuru de Frei José de Santa Rita Durão.


4 - Romantismo (século XIX)

 

A modernização ocorrida no Brasil, com a chegada da família real portuguesa em 1808, e a Independência do Brasil em 1822 são dois fatos históricos que influenciaram na literatura do período. Como características principais do romantismo, podemos citar: individualismo, nacionalismo, retomada dos fatos históricos importantes, idealização da mulher, espírito criativo e sonhador, valorização da liberdade e o uso de metáforas. As principais obras românticas que podemos citar: O Guarani de José de Alencar, Suspiros Poéticos e Saudades de Gonçalves de Magalhães, Espumas Flutuantes de Castro Alves, Primeiros Cantos de Gonçalves Dias. Outros importantes escritores e poetas do período: Casimiro de Abreu, Fagundes Varela, Álvares de Azevedo, Junqueira Freire, Franklin Távora e Teixeira e Souza.

Pintura de Gonçalves Dias

Gonçalves Dias: importante escritor da literatura indianista brasileira.

 

 

5 - Realismo - Naturalismo (segunda metade do século XIX)

 

Na segunda metade do século XIX, a literatura romântica entrou em declínio, juntos com seus ideais. Os escritores e poetas realistas começam a falar da realidade social e dos principais problemas e conflitos do ser humano. Como características desta fase, podemos citar: objetivismo, linguagem popular, trama psicológica, valorização de personagens inspirados na realidade, uso de cenas cotidianas, crítica social, visão irônica da realidade. O principal representante desta fase foi Machado de Assis com as obras: Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, Dom Casmurro e O Alienista. Podemos citar ainda como escritores realistas Aluísio de Azedo autor de O Mulato e O Cortiço; Raul Pompeia autor de O Ateneu e Manuel Antônio de Almeida, autor de Memórias de um sargento de milícias.


6 - Parnasianismo (final do século XIX e início do século XX)

 

O parnasianismo buscou os temas clássicos, valorizando o rigor formal e a poesia descritiva. Os autores parnasianos usavam uma linguagem rebuscada, vocabulário culto, temas mitológicos e descrições detalhadas. Diziam que faziam a arte pela arte. Graças a esta postura foram chamados de criadores de uma literatura alienada, pois não retratavam os problemas sociais que ocorriam naquela época. Os principais autores parnasianos são: Olavo Bilac, Raimundo Correia, Alberto de Oliveira e Vicente de Carvalho.


7 - Simbolismo (fins do século XIX)

 

Esta fase literária inicia-se com a publicação de Missal e Broquéis de João da Cruz e Souza. Os poetas simbolistas usavam uma linguagem abstrata e sugestiva, enchendo suas obras de misticismo e religiosidade. Valorizavam muito os mistérios da morte e dos sonhos, carregando os textos de subjetivismo. Os principais representantes do simbolismo foram: Cruz e Souza e Alphonsus de Guimaraens.

 

8 - Pré-Modernismo (1902 até 1922)

 

Este período é marcado pela transição, pois o modernismo só começou em 1922 com a Semana de Arte Moderna. Está época é marcada pelo regionalismo, positivismo, busca dos valores tradicionais, linguagem coloquial e valorização dos problemas sociais. Os principais autores deste período são: Euclides da Cunha (autor de Os Sertões), Monteiro Lobato, Lima Barreto, autor de Triste Fim de Policarpo Quaresma e Augusto dos Anjos.


9 - Modernismo (1922 a 1960)

 

Este período começa com a Semana de Arte Moderna de 1922. As principais características da literatura modernista são: nacionalismo, temas do cotidiano (urbanos), linguagem com humor, liberdade no uso de palavras e textos diretos. Principais escritores modernistas: Mario de Andrade, Oswald de Andrade, Cassiano Ricardo, Alcântara Machado, Jorge de Lima e Manuel Bandeira.

 

No Pós-Modernismo, um dos grandes nomes foi o dramaturgo, cronista, jornalista, contista e escritor pernambucano Nelson Rodrigues (1912-1980). Entre suas principais obras, podemos destacar: Toda Nudez Será Castigada (1965), A Falecida (1945) e Vestido de Noiva (1943).

 

Foto do escritor Nelson Rodrigues

Nelson Rodrigues: um dos grandes nomes da literatura brasileira.

 

 

10 -  Neorrealismo (1930 a 1945)

 

Fase da literatura brasileira na qual os escritores retomam as críticas e as denúncias aos grandes problemas sociais do Brasil. Os assuntos místicos, religiosos e urbanos também são retomados. Destacam-se as seguintes obras: Vidas Secas de Graciliano Ramos, Fogo Morto de José Lins do Rego, O Quinze de Rachel de Queiroz e O País do Carnaval de Jorge Amado. Os principais poetas desta época são: Vinícius de Moraes, Carlos Drummond de Andrade e Cecilia Meireles.

 

 

Você sabia?

 

- Um dos eventos literários mais importantes do Brasil é a Flip (Festa Literária Internacional de Paraty). Em 2020, a 18ª Flip terá uma edição virtual, que será de 3 a 6 de dezembro. Ela não ocorreu de forma presencial em função da pandemia do novo coronavírus.

- É comemorado em 1º de maio o Dia da Literatura Brasileira.

 

 



atualizado em 27/08/2021

Por Elaine Barbosa de Souza
Graduada em Letras (Português e Inglês) pela FMU (2002).




Você também pode gostar de:


Literatura Brasileira e a história e movimentos literários Temas Relacionados
Bibliografia Indicada

 

Formação da Literatura Brasileira

Autor: Cândido, Antônio

Editora: Ouro Sobre Azul

 

Fontes de referência do texto:

 

- TUFANO, Douglas. Estudos da Literatura brasileira. São Paulo: Editora Moderna, 1999.

 

- CEREJA, William; COCHAR, Teresa. Literatura Brasileira. São Paulo: Atual Editora, 2013.


Os textos deste site não podem ser reproduzidos sem autorização de seu autor.
Só é permitida a reprodução para fins de trabalhos escolares.
Copyright © 2004 - 2021 SuaPesquisa.com
Todos os direitos reservados.