A Literatura de Cordel, sua história e características

História da Literatura de Cordel no Brasil e na Europa, resumo, características, sua utilização na pedagogia e na propaganda, grandes cordelistas, cultura popular nordestina, xilogravura


Literatura de Cordel: folheto ilustrado com xilogravura
Literatura de Cordel: folheto ilustrado com xilogravura

 

O que é e origem da Literatura de Cordel

 

literatura de cordel é uma espécie de poesia popular que é impressa e divulgada em folhetos ilustrados com o processo de xilogravura. Também são utilizados desenhos e clichês zincografados. Ganhou este nome, pois, em Portugal, eram expostos ao povo amarrados em cordões, estendidos em pequenas lojas de mercados populares ou até mesmo nas ruas.

 

História da chegada ao Brasil 

 

A literatura de cordel chegou ao Brasil no século XVIII, através dos portugueses. Aos poucos, foi se tornando cada vez mais popular. Nos dias de hoje, podemos encontrar este tipo de literatura, principalmente na região Nordeste do Brasil. Ainda são vendidos em lonas ou malas estendidas em feiras populares.

 

Principais características da Literatura de Cordel



De custo baixo, geralmente estes pequenos livros são vendidos pelos próprios autores. Fazem grande sucesso em estados como Pernambuco, Ceará, Alagoas, Paraíba e Bahia. Este sucesso ocorre em função do preço baixo, do tom humorístico de muitos deles e também por retratarem fatos da vida cotidiana da cidade ou da região. Os principais assuntos retratados nos livretos são: festas, política, secas, disputas, brigas, milagres, vida dos cangaceiros, atos de heroísmo, milagres, morte de personalidades etc.



Em algumas situações, estes poemas são acompanhados de violas e recitados em praças com a presença do público. 

 

Os cordelistas mais conhecidos

 

Um dos poetas da literatura de cordel que fez mais sucesso até hoje foi Leandro Gomes de Barros (1865-1918). Acredita-se que ele tenha escrito mais de mil folhetos. Mais recentes, podemos citar os poetas José Alves Sobrinho, Homero do Rego Barros, Patativa do Assaré (Antônio Gonçalves da Silva), Téo Azevedo. Zé Melancia, Zé Vicente, José Pacheco da Rosa, Gonçalo Ferreira da Silva, Chico Traíra, Apolônio Alves dos Santos,  João de Cristo Rei e Ignácio da Catingueira.



Vários escritores nordestinos foram influenciados pela literatura de cordel. Dentre eles podemos citar: João Cabral de Melo, Ariano Suassuna, José Lins do Rego e Guimarães Rosa.

 

Poética do cordel:

 

- Quadra: estrofe de quatro versos.


- Sextilha: estrofe de seis versos.


- Septilha: é a mais rara, pois é composta por sete versos.


- Oitava: estrofe de oito versos.


- Quadrão: os três primeiros versos rimam entre si; o quarto com o oitavo, e o quinto, o sexto e o sétimo também entre si.


- Décima: estrofe de dez versos.


- Martelo: estrofes formadas por decassílabos (comuns em desafios e versos heroicos).

 

Literatura Oral 

 

Faz parte da literatura oral os mitos, lendas, contos e provérbios que são transmitidos oralmente de geração para geração. Geralmente, não se conhece os autores reais deste tipo de literatura e, acredita-se, que muitas destas estórias são modificadas com o passar do tempo. Muitas vezes, encontramos o mesmo conto ou lenda com características diferentes em regiões diferentes do Brasil. A literatura oral é considerada uma importante fonte de memória popular e revela o imaginário do tempo e espaço onde foi criada.



Muitos historiadores e antropólogos estudam este tipo de literatura com o objetivo de buscarem informações preciosas sobre a cultura e a história de uma época. Em meio a ficção, resgata-se dados sobre vestimentas, crenças, comportamentos, objetos, linguagem, arquitetura etc.



Podemos considerar como sendo literatura oral os cantos, encenações e textos populares que são representados nos folguedos.



Exemplos de mitos, lendas e folclore brasileiro: saci-pererêcurupiraboto cor de rosa, caipora, Iara, boitatá, lobisomem, mula-sem-cabeça, negrinho do pastoreio.

 

Dia do Cordelista

 

- No Brasil, o Dia do Cordelista é comemorado em 19 de novembro. Foi nesse dia, em 1865, que nasceu Leandro Gomes de Barros, um dos grandes poetas da literatura de cordel.


Leandro Gomes de Barros, cordelista brasileiro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leandro Gomes de Barros: um dos principais cordelistas da História.

 

 

 

atualizado em 22/05/2020

___________________________________

Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994)






A Literatura de Cordel, sua história e características Temas Relacionados
Bibliografia Indicada

 

Cordéis que educam e transformam

Autor: Senna, Costa

Editora: Global

Ano de publicação: 2017

Temas do livro: Cultura Popular


Os textos deste site não podem ser reproduzidos sem autorização de seu autor.
Só é permitida a reprodução para fins de trabalhos escolares.
Copyright © 2004 - 2020 SuaPesquisa.Com
Todos os direitos reservados.