João Guimarães Rosa

Guimarães Rosa foi um importante escritor brasileiro do Modernismo.


Guimarães Rosa: um dos mais importantes escritores do Modernismo no Brasil
Guimarães Rosa: um dos mais importantes escritores do Modernismo no Brasil

 

Quem foi

 

João Guimarães Rosa foi um romancista, contista, poeta, diplomata e médico brasileiro do século XX.

 

Guimarães Rosa foi um importante nome do Modernismo brasileiro. E sua obra mais conhecida é o romance Grande Sertão: Veredas, publicado em 1956.


Biografia de Guimarães Rosa

 

João Guimarães Rosa nasceu na cidade de Cordisburgo, no estado de Minas Gerais, em 27 de junho de 1908.


Formou-se em Medicina no ano de 1930. Mas antes mesmo de ingressar para a faculdade, já havia começado a escrever alguns de seus contos.

 

Após se formar em Medicina, trabalhou como médico por aproximadamente dois anos, o que lhe proporcionou o contato direto com os sertanejos.

 

Trabalhou como médico voluntário da Força Pública de Minas Gerais, durante a Revolução Constitucionalista de 1932.

 

O também poliglota, Guimarães Rosa, deu início a sua carreira de diplomata no ano de 1934.

 

Foi cônsul-adjunto do Brasil, na cidade alemã de Hamburgo, entre os anos de 1938 a 1942

 

Em 1956, escreveu sua obra mais conhecida: Grande Sertão: Veredas.

 

Em 1961, recebeu o prêmio Machado de Assis, um dos principais prêmios literários brasileiros, entregue pela Academia Brasileira de Letras.


Em 1963, foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras. Porém, por vontade própria, assumiu a cadeira somente em 1967.

 

Durante sua vida, teve duas esposas: Lígia Cabral Pena e Aracy Moebius de Carvalho.

 

Morreu em 19 de novembro de 1967, aos 59 anos, na cidade do Rio de Janeiro, três dias após ter decidido tomar posse de sua cadeira na Academia Brasileira de Letras.

 

Guimarães Rosa em sua posse na Academia Brasileira de Letras

Guimarães Rosa em sua posse na Academia Brasileira de Letras (1967).

 

 

Principais movimentos literários que fez parte:


- Modernismo (Geração de 45) e Pós-modernismo



Principais gêneros literários:

 

- Romance, Poesia e Conto.



Principais características de suas obras e estilo literário:


• Uso de expressões regionais, fala popular, uso de palavras estrangeiras, elaboração de frases que não eram comuns à estrutura sintática da nossa língua portuguesa. O estrangeiro e o sertanejo estão muito presentes no universo deste grande escritor que faz diferentes combinações com diferentes linguagens.


• Suas obras combinam elementos arcaicos, cultura popular e conhecimento erudito.


• Guimarães Rosa era pesquisador e poliglota, com viagens pelo interior do Brasil, influenciando sua escrita.


• Suas narrativas situadas em cenários rurais. Neste sentido, explorou a vida, cultura e desafios de comunidades distantes dos centros urbanos.


• Presença de imersão na experiência do homem rural, com ênfase na natureza, religiosidade, mito e providência divina.


• Escreveu histórias com estrutura narrativa que prioriza a reflexão.


• Presença de abordagem experimental na narrativa, rompendo convenções literárias.


• Histórias com fortes raízes no sertão brasileiro, mas com temas universais (conflito entre bem e mal, amor e ódio, e a busca por significado na vida).


• Presença marcante do mítico, mágico e religioso.


• Criação de um universo literário onde o fantástico é parte do cotidiano.

 

Foto de João Guimarães Rosa com livro numa estante atrás.

João Guimarães Rosa: um dos grandes nomes da literatura brasileira no século XX.



Principais obras:


Magma (1936)

 

Sagarana (1946)

 

Com o Vaqueiro Mariano (1952)

 

Corpo de Baile: Noites do Sertão (1956)

 

Grande Sertão: Veredas (1956)

 

Primeiras Estórias (1962)

 

Campo Geral (1964)

 

Tutameia – Terceiras Estórias (1967)

 

Estas Estórias (1969) - póstumo

 

Ave, Palavra (1970) - póstumo

 

Antes das Primeiras Estórias (2011) - póstumo

 

Capa da 1ª edição de Grande Sertão: Veredas de Guimarães Rosa

Capa da 1ª edição de Grande Sertão: Veredas (1956) de Guimarães Rosa.

 

 

Trecho do livro Grande Sertão Veredas:

 

"Ah, eu estou vivido, repassado. Eu me lembro das coisas, antes delas acontecerem… Com isso minha fama clarêia? Remei vida solta. Sertão: estes seus vazios.

O senhor vá. Alguma coisa, ainda encontra. Vaqueiros? Ao antes — a um, ao Chapadão do Urucúia — aonde tanto boi berra… Ou o mais longe: vaqueiros do Brejo-Verde e do Córrego do Quebra-Quináus: cavalo deles conversa cochicho — que se diz — para dar sisado conselho ao cavaleiro, quando não tem mais ninguém perto, capaz de escutar.

Creio e não creio. Tem coisa e cousa, e o ó da raposa… Dali para cá, o senhor vem, começos do Carinhanha e do Piratinga filho do Urucúia — que os dois, de dois, se dão as costas."

 

 



Artigo Publicado em: 03/02/2020

Por Elaine Barbosa de Souza
Graduada em Letras (Português e Inglês) pela FMU (2002).




Você também pode gostar de:


Temas Relacionados
Bibliografia Indicada

 

Literatura comentada - Guimarães Rosa

Autor: Brait, Beth

Editora: Nova Cultural

 

Fonte indicada:

 

ARRIGUCI JR., Davi. O mundo misturado: romance e experiência em Guimarães Rosa. Novos estudos CEBRAP, São Paulo, no 40, p. 7-29, Nov. 1994.


Os textos deste site não podem ser reproduzidos sem autorização de seu autor.
Só é permitida a reprodução para fins de trabalhos escolares.



Copyright © 2004 - 2024 SuaPesquisa.com
Todos os direitos reservados.