História da Bolívia

Conheça os principais fatos históricos da Bolívia desde os povos pré-colombiano até os dias atuais.


Tupac Amaru II: tentou restabelecer o Império Inca no século XVIII
Tupac Amaru II: tentou restabelecer o Império Inca no século XVIII

 

Período Pré-Colombiano


- No período pré-colombiano (antes da chegada dos espanhóis em 1492), a região da atual Bolívia já era povoada por povos que estabeleciam relação de vassalagem com o Império Inca.


- A região dos altiplanos bolivianos possuía uma grande densidade demográfica, antes da conquista espanhola. O império Tiahuanaco que se estendia da costa do pacífico até os altiplanos, se estabeleceu como grande força político-militar, ainda no século VII.


- Com o colapso do império Tiahuanaco, no século XI, a região dos altiplanos bolivianos foi controlada por um grupo de 12 etnias, que compartilhavam as mesmas técnicas agrícolas, de irrigação e línguas que derivaram do ramo linguístico aymara. Tais sociedades, foram subjugadas pelo Império Inca no século XV, antes da invasão espanhola.

 

Monumento de pedra em formato de porta

Porta do Sol, localizada nas ruínas de um antigo povoamento da cultura Tiahuanaco.

 



Conquista espanhola e período colonial



- No século seguinte, foi a vez dos espanhóis dominarem de maneira brutal a região, escravizando os povos indígenas que habitavam a região da atual Bolívia.



- No contexto da dominação espanhola, talvez o líder mais célebre do período, foi o inca Tupac Amaru II, que encabeçou uma revolta para restabelecer o império inca na região durante o século XVIII. A principal bandeira do movimento liderado por Amaru, era a revolta contra a escravidão de seu povo. É importante lembrar que esse movimento se iniciou no Peru, vindo a se perpetuar também na Bolívia.

 

- Entre os séculos XVI e XVIII, a Bolívia foi uma colônia de exploração da Espanha. Os espanhóis exploraram, principalmente, os recursos minerais do país. Toda a parte jurídica, administrativa e econômica da região do Alto Peru foi comandada pela corte espanhola.

 



Independência da Bolívia


 
 - O Alto do Peru, como era conhecida a região, foi uma das primeiras colônias espanholas a se rebelar, em 1809. Historiadores discutem se essa rebelião foi o protótipo das guerras de independência que sacudiram a América Latina.


- Em 1825, após mais de 16 anos de lutas, a região tornou-se independente, liderados por Simón Bolívar e Antonio José Sucre.



- Em 6 de agosto de 1825, o Congresso do Alto Peru, declarou o país independente. Desse modo, Bolívar se tornou o primeiro presidente da Bolívia, que ele ajudou a moldar e ao qual empresta parte de seu nome. O sistema republicano foi adotado no país. Bolívar morreu em dezembro de 1830, na Colômbia.

 

Simon Bolivar, líder da independência da Bolívia

Simon Bolívar: líder do processo de independência e primeiro presidente da Bolívia.

 

 

Perdas de territórios


- Durante boa parte do século XIX, Bolívia e Chile tiveram momentos de tensão política devido a questões relativas à exploração de recursos naturais em território boliviano, por parte de consórcios anglo-chilenos. Essas tensões culminaram na Guerra do Pacífico, onde a Bolívia tornou-se um dos poucos países no continente sem saída para o mar, já que o Chile tomou o acesso para o oceano Pacífico.


- No começo do século XX, a Bolívia passou por mais transformações no traçado de suas fronteiras. No ano de 1903, através de acordo comercial, o estado do Acre foi vendido ao Brasil. Aliviando tensões com o setor extrativista do lado brasileiro.


- Durante a Guerra do Chaco (1932-1935), o Paraguai tomou terras que pertenciam à Bolívia, a guerra do Chaco foi causada por disputas para exploração de jazidas de petróleo na região.


- A partir da guerra do Chaco até o final dos anos de 1950, o país vivenciou uma sucessão de movimentos de cunho marxista.



A Revolução de 1952


Em 1952, ocorre um levante revolucionário na Bolívia. O presidente que havia sido eleito no ano anterior e impedido de tomar posse pelos militares, Victor Paz Estenssoro, é colocado no poder pelos revolucionários. Paz Estenssoro começa a implantar a nacionalização de minas e a reforma agrária. As medidas, consideradas socialistas, foram desaprovadas por investidores estrangeiros, pelos EUA e também pelos militares. Esse contexto abriu caminho para o golpe militar de 1964.



Regime militar e fatos mais recentes



- Em 1964, ocorreu um Golpe de Estado, liderado por militares, que tomaram o poder no país. Bolívia viveu momentos de ditadura militar e supressão de direitos civis. O regime militar boliviano durou até 1982, quando os militares o poder para Siles Zuazo.


- Em 1996, a Bolívia tornou-se membro associado do Mercosul.



- E em 2005, Evo Morales se tornou o primeiro presidente de origem indígena do país.



- Em maio de 2006, Evo Morales anuncia a nacionalização das jazidas e a exploração do gás e do petróleo no país.



- Em 2009, com 64% dos votos, Evo Morales é reeleito presidente da Bolívia. Neste segundo mandato, governo boliviano inicia um processo de reforma agrária e de estatização de empresas estrangeiras.


- Em 2014 Evo Morales é reeleito novamente e governa o país até novembro de 2019.


- Em 12 de novembro de 2019, Evo Morale renúncia ao cargo de presidente. Assume a presidência do país a advogada e senadora Jeanine Áñez.

 

- Em outubro de 2020, o socialista Luis Arce é eleito presidente da Bolívia.

 

Foto de Evo Morales

Evo Morales: de origem indígena, foi presidente por três vezes na história recente da Bolívia.

 

 

QUIZ

 

Em que ano a Bolívia se tornou independente da Espanha?

 






 



Publicado em 23/07/2020


Por Jefferson Evandro M. Ramos (graduado em História pela USP)




Você também pode gostar de:


Temas Relacionados
Bibliografia Indicada

 

História da Bolívia

Autor: Herbert S. Klein

Editora: UNB


Os textos deste site não podem ser reproduzidos sem autorização de seu autor.
Só é permitida a reprodução para fins de trabalhos escolares.



Copyright © 2004 - 2024 SuaPesquisa.com
Todos os direitos reservados.