O Ciclo do Café

Essa fase gerou muita riqueza na região Sudeste do Brasil e esteve diretamente ligada com a imigração europeia e o desenvolvimento industrial.


Imigrantes italianos trabalhando na colheita do café
Imigrantes italianos trabalhando na colheita do café

 

Contexto histórico

 

O café chegou ao Brasil, na segunda década do século XVIII, através de Francisco de Melo Palheta. Estas primeiras mudas foram trazidas da Guiana Francesa. No século XIX, as plantações de café espalharam-se pelo interior de São Paulo e Rio de Janeiro. Os mercados nacionais e internacionais, principalmente Estados Unidos e Europa, aumentaram o consumo, favorecendo a exportação do produto brasileiro.

 

Com a queda nas exportações de algodão, açúcar e cacau, os fazendeiros sentiram a grande oportunidade de obterem altos lucros com o “ouro negro”. Passaram a investir mais e ampliaram os cafezais. Na segunda metade do século XIX, o café tornou-se o principal produto de exportação brasileiro, sendo também muito consumido no mercado interno.

 

Quando ocorreu

 

Essa fase econômica do Brasil, em que o café dominou a produção para consumo nacional e exportação, durou de 1850 a 1930, aproximadamente. Isso não quer dizer que o café deixou de ser produzido no Brasil em 1930. Até hoje ele é um importante produto brasileiro para consumo interno e exportação. Porém, a partir de 1930 a economia brasileira começou a se diversificar e houve um grande avanço na industrialização do país.


A riqueza gerada pela cafeeicultura

 

Os fazendeiros, principalmente paulistas, fizeram fortuna com o comércio do produto. As mansões da Avenida Paulista refletiam bem este sucesso. Boa parte dos lucros do café foi investido na indústria, principalmente de São Paulo e Rio de Janeiro, favorecendo o desenvolvimento deste setor e a industrialização do Brasil. Muitos imigrantes europeus, principalmente italianos, chegaram para aumentar a mão de obra nos cafezais de São Paulo.


As principais consequências do Ciclo do Café foram:

 

- A economia brasileira ficou muito dependente das exportações de café. Quando o preço do produto caia, o governo brasileiro comprava estoques e queimava para aumentar o preço (política de valorização do café).

 

- Concentração do poder político e econômico na região Sudeste.

 

- Aumento do desenvolvimento industrial e urbano no Sudeste.

 

- Imigração europeia para as lavouras de café e indústrias do Sudeste.

 

- Construção de ferrovias para escoar a produção de café do interior de São Paulo para o porto de Santos.


Curiosidade:

 

- Comemora-se em 29 de novembro o Dia do Café.

 

Foto antiga mostrando carregamento de café no porto de Santos

Carregamento de café no porto de Santos: grande parte da produção era voltada para a exportação.

 

 

 


 

Questões sobre o Ciclo do Café na História do Brasil (perguntas e respostas)

 

Lavoura de Café no começo do século XX

Lavoura de Café no começo do século XX


 

1 – Como o café chegou ao Brasil?

 

O café foi introduzido no Brasil por Francisco de Melo Palheta, que plantou as primeiras mudas, em 1727, no estado do Pará. Essas primeiras mudas vieram da Guiana Francesa.

 

2 – Quais foram as regiões do Brasil em que ocorreu maior plantio e produção do café?

 

Nas regiões do Oeste Paulista e no Vale do Ribeira (São Paulo).

 

3 – Quais eram as características principais da produção de café no Brasil?

 

 - Utilização da mão de obra escrava africana (na fase inicial). A partir da segunda metade do século XIX começaram a chegar os imigrantes, principalmente italianos, para atuarem na lavoura de café do interior paulista.

 

- Produção voltada, principalmente, para a exportação (EUA e Europa).

 

- Cultivo do café em grandes propriedades rurais.

 

4 – Por que São Paulo se tornou o centro da produção de café no Brasil e no mundo?

 

O estado de São Paulo possuía ricos proprietários rurais com capital para investir na produção de café. O estado contava também com a terra roxa, que apresenta características favoráveis para o cultivo da planta. Além de tudo isso, no estado havia mão de obra imigrante em grande quantidade, principalmente italiana com experiência nos trabalhos agrícolas.

 

 5 – Qual a relação da economia cafeeira com o desenvolvimento industrial no estado de São Paulo?

 

Uma boa parte do capital gerado pela exportação do café foi investida em industrias na cidade de São Paulo. Os ricos barões do café de São Paulo, optaram por diversificar seus investimentos no setor industrial, que estava em expansão no final do século XIX e começo do XX.

 

6 – A partir da década de 1870, o cultivo e produção do café entrou em crise nas regiões da Baixada Fluminense (Rio de Janeiro) e no Vale do Paraíba. Quais foram as causas principais?

 

- Falta de terrenos com solo apropriado para o cultivo do café.

 

- Uso de tecnologias rudimentares para o plantio e beneficiamento do café.

 

- Inadequada distribuição dos cafeeiros (arbustos de cafés).

 

- Escassez de mão de obra escrava a partir de 1850, quando entrou em vigor a Lei Eusébio de Queirós, que proibiu o tráfico negreiro.

 

 7 – Quais foram as principais transformações sociais geradas pela economia do café no Sudeste do Brasil?

 

- Desenvolvimento das indústrias ligadas ao beneficiamento do café e também da indústria têxtil.

 

- Implantação e desenvolvimento de ferroviais. As principais tinham como destino o Porto de Santos, de onde o café era exportado via transporte marítimo.

 

- Rápido desenvolvimento urbano da cidade de São Paulo e de outras do interior paulista, além de Santos. A cidade do Rio de Janeiro, que era a capital do país, também se desenvolveu neste contexto.

 

- Surgimento de bancos e ampliação dos serviços bancários.

 

- Desenvolvimento dos sistemas de comércio exterior (importação e exportação).

 

- Substituição do trabalho escravo pelo trabalho livre. Este processo teve início em 1850 e se concretizou, definitivamente, em 1888 com a Lei Áurea (aboliu a escravidão no Brasil).

 

8 – Qual foi a prática política e econômica, utilizada por alguns governos da República Velha, para ajudar os produtores de café?

 

Quando preço do café diminuía, o governo brasileiro comprava os estoques dos cafeicultores e queimava. Desta forma, havia uma queda na quantidade de café no mercado e o preço voltava a subir. Esse sistema ficou conhecido como “política de valorização do café” e ajudou os cafeicultores a manter seus lucros.

 




atualizado em 08/12/2020

Revisado por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).




Você também pode gostar de:


O Ciclo do Café Temas Relacionados
Bibliografia Indicada

 

Fontes de referência do texto:

 

Prado Jr. Caio. História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2008.

 

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Fundação de Desenvolvimento da Educação, 1995,

 


Os textos deste site não podem ser reproduzidos sem autorização de seu autor.
Só é permitida a reprodução para fins de trabalhos escolares.
Logotipo do site Suapesquisa.com em preto e branco Copyright © 2004 - 2021 SuaPesquisa.com
Todos os direitos reservados.