Economia de Baixo Carbono

Economia de Baixo Carbono são as atividades econômicas que geram baixa ou nenhuma emissão de carbono.


Economia de Baixo Carbono: lucro com preservação do meio ambiente
Economia de Baixo Carbono: lucro com preservação do meio ambiente


O que é (definição)


Economia de baixo carbono é um termo usado para fazer referência a um conjunto de práticas econômicas, que tem como objetivo a obtenção de lucro com o desenvolvimento, comercialização e utilização (consumo) de sistemas tecnológicos que visem à redução ou eliminação do uso de fontes de energias de origem fóssil (carvão mineral e petróleo, por exemplo).

 

Estas fontes de energia não renováveis são as principais causadoras do efeito estufa, pois são grandes geradoras, principalmente, do dióxido de carbono. Na economia de baixo carbono elas são substituídas por fontes de energias limpas e renováveis.

 

Características, necessidade, importância e oportunidades

 

Com o aumento da poluição do ar, do efeito estufa e do aquecimento global nas últimas três décadas, tem aumentado o uso de tecnologias voltadas para a geração de energia de forma limpa. Neste sentido, muitas empresas detectaram a oportunidade de desenvolverem negócios rentáveis com o desenvolvimento de produtos ecologicamente sustentáveis e de baixo ou nenhum impacto ambiental.

 

A economia de baixo carbono tem apresentado um grande crescimento nas áreas de geração de energia solar e eólica. Muitos governos têm incentivado estas áreas com estímulos fiscais e financiamentos para produção e pesquisa.

 

Outra área da economia de baixo carbono que tem crescido muito nos últimos anos é a do desenvolvimento do carro elétrico. Este já é uma realidade e muitas montadoras já estão produzindo em larga escala.

 

A criação do mercado de comercialização de créditos de carbono, há alguns anos, também é parte importante no desenvolvimento da economia de baixo carbono. Neste sistema, países com maior necessidade de uso de combustíveis de origem fóssil podem comprar créditos de países que reduziram o uso destas fontes energéticas poluentes. Desta forma, as emissões dos gases do efeito estufa podem ser controladas em nível global.

 

Ações governamentais

 

Muitos governos estão adotando várias medidas para reduzir a emissão de gases poluentes de origem fóssil. Entre elas, podemos citar:

 

- Cobrança de taxas, impostos e tarifas em atividades econômicas que utilizam a geração de energia através da queima de combustíveis fósseis.

 

- Incentivos fiscais para empresas que utilizam fontes de energia limpa e renovável.

 

- Incentivos fiscais para empresas que produzem e comercializam produtos, que funcionam com baixa emissão de gases poluentes derivados da queima de combustíveis fósseis.

 

- Criação de leis que estabelecem limites para o uso de fontes de energia, que utilizam combustíveis fósseis.

 

Conclusão

 

A economia de baixo carbono veio para ficar. As empresas eficientes que entram nesta área possuem grandes chances de prosperarem. O lucro está aliado à diminuição da poluição do ar e da emissão dos gases do efeito estufa. É desenvolvimento econômico, geração de renda e empregos com a garantia de um futuro melhor para o meio ambiente.

 

Você sabia?

 

- Os países, atualmente, que mais investem e produzem na nova economia de baixo carbono são: China, Alemanha, Austrália, Islândia, Suécia, Reino Unido e Nova Zelândia.

 

Foto de um parque eólico

A geração de energia elétrica através do vento é um exemplo de atividade econômica de baixo carbono.

 

 

 

TEXTO COMPLEMENTAR: CRÉDITO DE CARBONO

 

O crédito de carbono é uma espécie de certificado que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito estufa e o aquecimento global em nosso planeta. Um crédito de carbono equivale a uma tonelada de CO2 (dióxido de carbono) que deixou de ser produzido. Aos outros gases reduzidos são emitidos créditos, utilizando-se uma tabela de carbono equivalente.

 

Principal objetivo:

 

- Possibilitar a diminuição da emissão de gases do efeito estufa, que são so responsáveis pelo aquecimento global.

 

Como são obtidos?

 

Empresas que conseguem diminuir a emissão de gases poluentes obtêm estes créditos, podendo vendê-los nos mercados financeiros nacionais e internacionais. Estes créditos de carbono são considerados commodities (mercadorias negociadas com preços estabelecidos pelo mercado internacional).



Como é a comercialização: como funciona o mercado de carbono


Estes créditos geralmente são comprados por empresas que não conseguem reduzir a emissão dos gases poluentes, permitindo-lhes manter ou aumentar a emissão.


As empresas que conseguem reduzir a emissão dos gases poluentes lucram com a venda destes créditos de carbono. Este sistema visa privilegiar as indústrias que reduzem a emissão destes gases, pois seus lucros com a venda dos créditos aumentam. Já os países mais desenvolvidos podem incentivar os países em desenvolvimento a reduzirem a emissão de gases poluentes, comprando os créditos no mercado de carbono.


A quantidade permitida de emissão de gases poluentes e as leis que regem o sistema de créditos de carbono foram definidas durante as negociações do Protocolo de Kyoto (discutido e negociado no Japão em 1997).

 

Crédito de carbono, imagem de moedas e plantas

Créditos de carbono: ajudando a preservar o meio ambiente e gerando lucros.

 

 



atualizado em 01/01/2021




Você também pode gostar de:


Economia de Baixo Carbono Temas Relacionados
Bibliografia Indicada


Gás natural e transição para uma economia de baixo carbono

Autor: Pereira, Sergio Luiz

Editora: Synergia


Os textos deste site não podem ser reproduzidos sem autorização de seu autor.
Só é permitida a reprodução para fins de trabalhos escolares.
Copyright © 2004 - 2021 SuaPesquisa.Com
Todos os direitos reservados.