Criação e atuação da Inquisição

A Inquisição Medieval perseguiu e combateu com violência aqueles que eram considerados hereges pela Igreja Católica.


Integrantes da Inquisição espanhola torturando um herege
Integrantes da Inquisição espanhola torturando um herege

 

O que foi a Inquisição Medieval e sua criação


A Inquisição foi uma instituição religiosa e jurídica criada no fim da Alta Idade Média (século XIII) pela Igreja Católica Apostólica Romana, na França, para identificar e julgar todos aqueles considerados uma ameaça às suas doutrinas (conjunto de leis). Os que eram condenados cumpriam penas que podiam variar desde a prisão temporária ou perpétua até a morte na fogueira, onde eram queimados vivos em praça pública. Além da França, ela atuou também na Espanha, Portugal e Itália.

 

História e atuação

 

Aos perseguidos não lhes era dado o direito de saber quem os denunciara, mas, em contrapartida, podiam dizer os nomes de todos seus inimigos para averiguação por parte desse tribunal medieval. Com o passar do tempo, essa forma de julgamento foi ganhando cada vez mais força e se espalhou em países como Portugal, França, Itália e Espanha.

 

Perseguição aos cientistas e filósofos

 

Muitos cientistas foram perseguidos nessa época, censurados e até condenados por defenderem ideias contrárias à doutrina cristã. Um dos casos mais conhecidos foi o do astrônomo italiano Galileu Galilei, que afirmava que o planeta Terra girava ao redor do Sol (heliocentrismo). Ele foi poupado da fogueira, mas não do confinamento perpétuo.

 

A mesma sorte não teve o matemático e filósofo italiano Giordano Bruno, que foi julgado e condenado à morte pelo tribunal do Santo Ofício. A acusação foi de que Giordano era um herege, pois cometia erros teológicos (um deles era não concordar com o dogma da trindade).

 

Julgamento de Giordano Bruno

Julgamento de Giordano Bruno: matemático e filósofo italiano foi julgado e condenado à morte na fogueira pela inquisição romana.

 

 

As mulheres no alvo da Inquisição

 

As mulheres também foram alvos de constante perseguição. Os inquisidores consideravam bruxaria todas as práticas que envolviam a cura por meio de chás ou remédios elaborados a partir de ervas ou outras substâncias naturais. As “bruxas medievais”, que nada mais eram do que conhecedoras do poder de cura das plantas, receberam, por isso, um tratamento violento e cruel.

 

O apoio dos reis

 

Como a Inquisição se tornava cada vez mais poderosa, acabou atraindo interesses políticos. Durante o século XV, por exemplo, o rei e a rainha da Espanha se aproveitaram dessa força para perseguirem os nobres e principalmente os judeus. No primeiro caso, reduziram o poder da nobreza, já no segundo, torturaram e mataram os judeus, tomando-lhes seus bens.


As torturas e as condenações à morte na fogueira

 

Durante essa época milhares de pessoas foram torturadas ou queimadas vivas por acusações que, muitas vezes, não tinham fundamento. Com um poder cada vez maior nas mãos, o Inquisidor-mor chegou a desafiar reis, nobres, burgueses e outras importantes personalidades. Apenas no início do século XIX é que a perseguição aos hereges e protestantes teve fim. 

 

Cavaleiros Templários condenados à fogueira da Inquisição.

Cavaleiros Templários condenados à morte na fogueira da Inquisição.

 

Inquisição no Brasil

 

No Brasil, os tribunais da Inquisição chegaram a ser instalados no período colonial, porém, não apresentaram tanta força como na Europa. Foram julgados, principalmente no Nordeste, alguns casos de heresias, além de haver perseguição de alguns judeus.

 

Curiosidades históricas:

 

- Um dos inquisidores que mais castigou hereges no século XV foi o espanhol Tomás de Torquemada. Ele ficou conhecido como o “Grande Inquisidor” e atuou na perseguição e punição de muçulmanos e judeus convertidos que moravam na Espanha.

 

- A palavra deriva do latim inquisitio,onis, cujos significados são investigação e indagação.

 

- Embora tenha praticado muitas mortes, violências e sofrimentos, ela era também chamada de "Santa Inquisição".

 

- De tempos em tempos a Inquisição organizava o Auto de fé. Este consistia num evento público, no qual os absolvidos deviam mostrar arrependimento e compromisso em respeitar as doutrinas católicas.

 

Auto de Fé da Inquisição, obra de Pedro Berruguete, 1475 .

Auto de Fé, obra de Pedro Berruguete, 1475.

 

 

 

 

 

 



atualizado em 04/08/2020

 

Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).






Criação e atuação da Inquisição Temas Relacionados
Bibliografia Indicada

 

Para entender a Inquisição

Autor: Felipe, Aquino

Editora: Cleofas

Ano de publicação: 2009

Temas do livro: História Medieval, Religião e Cristianismo.

 

História da Origem e Estabelecimento da Inquisição Em Portugal


Autor: Herculano, Aexandre

Editora: Francisco Alves

Ano de publicação: 1854

Temas do livro: Inquisição Medieval, Religião

 

 

Fontes de pesquisa consultadas para a elaboração do texto:

 

- ARRUDA. José Jobson de Andrade. História Antiga e Medieval. São Paulo: Editora Ática, 1988.

 

- MORAES, José Geraldo Vinci. História Geral e do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2010.


Os textos deste site não podem ser reproduzidos sem autorização de seu autor.
Só é permitida a reprodução para fins de trabalhos escolares.
Copyright © 2004 - 2020 SuaPesquisa.Com
Todos os direitos reservados.